quinta-feira, 13 de março de 2014

Projeto Casa de Bamba apresenta Helayne Cristini e Clube do Samba, neste sábado (15)

Projeto Casa de Bamba apresenta Helayne Cristini e Clube do Samba, neste sábado (15)
Texto de Anne Fernandes



Tendo enquanto objetivo promover a integração daqueles que apreciam e fazem cultura, apresentando como cenário o nosso Centro Histórico, um ambiente que inspira e transpira cultura e artes, é que o Projeto Casa de Bamba ano III, do Ateliê Multicultural Elioenai Gomes, apresenta o showHelayne Cristini e Clube do Samba, comemorando o mês dedicado à mulher, com muito samba de raiz e a leveza da mulher. Será nesse sábado, 15 de março, a partir das 17h, com show de abertura de Júnior do Cavaco. Os ingressos serão vendidos no local do evento ao preço único de R$ 12 (doze reais).



Helayne Cristini


Paraibana, natural da cidade de João Pessoa, Helayne Cristini da Silva Borba é formada no curso  sequencial de Música Popular, pela Universidade Federal da Paraíba -UFPB, com habilidade em canto. A música em sua vida vem desde os ritos familiares e escolares de lazer, sendo ampliada a partir do acadêmico, e a partir disso se dedica inteiramente à música. Atua ainda na área de educação musical, desenvolvendo monitoria em aulas de musicalização infantil, promovidas pela UFPB, além de ministrar aulas de canto coral para crianças em idade escolar e oficina de canto popular no projeto de extensão.
Hoje, uma militante da cena musical local, montou e apresentou em 2012 o recital Mulheres Paraibanas, resultado da pesquisa sobre o trabalho de mulheres compositoras e intérpretes do nosso Estado. Como cantora, foi premiada recentemente como Melhor Intérprete no 2º Festival de Marchinha e Músicas Carnavalescas da Paraíba, e primeiro lugar com a música Depois da Copa, composição dos paraibanos Adilson Medeiros e Marcello Piancó.



Desde 2011, vem participando do espetáculo IHU de música indígena, coordenado pela professora Daniella Gramani, da UFPB, e, ao longo dos anos, teve participação em vários eventos musicais, comoFórum Paraibano da Profissão de Músico, promovido pelo SESC/SENAC; WorkshopCoco Dub (afrociberlia), com Alexandre Dengue; Produção Musical, com Fernando Nunes; Mercado de Trabalho, com Arthur Maia e Michael Pipoquinha. Ainda nesse ano, participou do IV Paraíba Percussiva, no Cine Banguê, com o percussionista Victor Ramalho. Já no ano de 2012, fez participação especial na Semana da Mulher, evento esse inserido no projetoSexta com Choro, promovido pela Estação Cabo Branco, ao lado do Grupo de Chorinho Luar do Sertão.
E para 2014, o público pode esperar um trabalho autoral de Helayne, abordando todas as suas influências musicais com um toque de originalidade, beleza e força tão marcantes em suas atuações.



Clube do Samba

Com uma proposta de trazer o autêntico samba para as rodas da capital paraibana, o Clube do Samba nasceu em 2006 unindo amigos e amantes do samba de raiz. Em sua trajetória, desenvolve um trabalho voltado para valorização do celeiro do bom samba, numa busca incessante pela pesquisa e multiparticularidades que esse ritmo proporciona, como o samba de terreiro, de breque, de roda, rasgado, partido alto e afins. E afirma ainda o produtor e instrumentista Wagner Mesquita, “esse é o caminho para que os novos compositores sejam respeitados e ouvidos pelo seu público”.
Em seu repertório encontramos clássicos do samba que são o alicerce musical do grupo, como Noel Rosa, Cartola, Candeia, Clara Nunes, Adoniran Barbosa, Paulinho da Viola, João Nogueira, Arlindo Cruz, Jorge Aragão, e a madrinha do samba, Beth Carvalho, entre outros, além de enaltecer os mestres do ritmo, o paraibano Jackson do Pandeiro e o pernambucano Luiz Gonzaga.




Júnior do Cavaco (Foto: Produção)
Além de Helayne Cristini, que vem acompanhada do Clube do Samba, teremos como show de abertura Júnior do Cavaco, que atua na área musical há 12 anos, no entanto, e nos últimos três se dedica ao choro. A paixão que começou nos palcos deve se consolidar em CD. O artista está em fase de produção de um disco que deve gravar ainda esse ano, com choros autorais, mesclando composições suas e de Bebé de Natércio e Marcos César. “Comecei tocando pagode no grupo Samba da Elite, mas depois me apaixonei pelo chorinho e tenho me dedicado a ele nos últimos anos”, afirma Júnior do Cavaco.


O PROJETO
Idealizado e realizado pelo artista plástico, produtor e fomentador cultural, além de ser amante confesso do samba, Elioenai Gomes, lançou no ano de 2011 o arranjo criativo Casa de Bamba, sendo este um projeto cultural periódico de samba de mesa com grupos que defendem esse ritmo no Estado, assim como de outras partes do país, num eterno intercâmbio cultural.
Em 2014 vivencia sua 4ª temporada, onde já tem em sua bagagem mais de vinte edições, acontecendo sempre aos sábados, buscando levar às ruas do Varadouro a difusão do que há de melhor em samba de raiz, proporcionando um encontro intimista entre artistas e amantes da boa música ‘parahybana’, em um clima agradável e de interação sociocultural. O ambiente nos proporciona relaxamento e deslumbramento com as nossas riquezas culturais, em especial nessa área da cidade, bairro este que carrega na sua história a contribuição na criação da cidade de João Pessoa, otimizando assim, o desejo de todos pela revitalização do Centro Histórico de maneira humanizada, respeitando os cidadãos, a cultura produzida na cidade e ainda, a contribuição na consolidação do conceito desse bairro enquanto corredor cultural.

            


          Além do Casa de Bamba, o Ateliê Multicultural Elioenai Gomes, que é uma instituição civil, coletiva e apartidária, desenvolve ações educativas e socioculturais centradas na revitalização humana dos moradores do Centro Histórico da capital “parahybana”, e conta ainda com outras propostas de ampliação das atividades e inclusão de outros segmentos artísticos.
Hoje conta em seu calendário de eventos culturais fixos o Baile de Máscaras, Cortejo de Tambores, Bloco Folião de Ladeira Abaixo, Bailes Afro, Luz de Candeeiro, Celebrando o Coco de Roda da Paraíba, Mostra Multiteatral, Auto dos Orixás, Cortejo Multicultural e o Projeto Pôr do Sol Multicultural, contemplando assim asArtes Visuais, a Produção Cultural, o Turismo, os Direitos Humanos, a Educação, a Cidadania, a Inclusão, a Música, a Dança, o Audiovisual, as Artes Cênicas, a Literatura, a Saúde, a Cultura Popular, a Capoeira, a Diversidade de gênero e sexualidade, fortalecendo o intercâmbio cultural pleno e banhado da mais singular diversidade cultural.


O Ateliê Multicultural Elioenai Gomes fica localizado na Ladeira da Borborema, nº 101, Varadouro, João Pessoa – PB. Próximo à Catedral Nossa Senhora das Neves.
Mais informações: (83) 8806-0165 | (83) 8730-9629
http://www.ateliemulticultural.com.br


terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Programação do mês de fevereiro no Ateliê Multicultural Elioenai Gomes

O Ateliê Multicultural Elioenai Gomes tem a alegria de convidar a todas e todos para celebrar a programação do mês de fevereiro. Mais informações 87309629 e facebook.com/ateliemulticultural














quarta-feira, 13 de novembro de 2013

AUTO DOS ORIXÁS 2013 - 20 de novembro (quarta) às 19h no Ponto de Cem Réis



O Ateliê Multicultural Elioenai Gomes celebra na próxima quarta feira (20/11 - 19h), Dia da Consciência Negra, mais uma edição do espetáculo Auto dos Orixás, um ato público em formato de espetáculo que tem um objetivo maior de enfrentamento contra a intolerância religiosa e a todos os tipos de preconceito, sobretudo direcionados à cultura afrobrasileira.

Com direção e roteiro do artista visual e gestor cultural Elioenai Gomes, o espetáculo este ano conta a influência dos quatro elementos da natureza em diversas culturas antigas do planeta e aborda o sincretismo como fio condutor. “buscamos mostrar onde se situam os orixás em outras culturas do mundo” afirma o diretor.

Os bailarinos e integrantes passaram por diversas oficinas e laboratórios de dança afro, com Adélia Gomes, teatro com Jocerlan Silva, além de vivências com os quatro elementos com Carol Marques, entre outros profissionais envolvidos no processo. Essas atividades ofereceram subsídio para a construção coletiva das coreografias, onde a expansão de cada bailarino é o principal, buscando em si a energia para representar cada personagem. “A construção do espetáculo se dá em um processo de inclusão e integração, não somente com bailarinos profissionais, com participação de outros integrantes que tem a oportunidade de vivenciar, de forma didática, a cultura afrobrasileira sem necessariamente serem da religião” ponderou Elioenai.

O figurino de Elioenai Gomes foi inspirado nas pinturas de Carybé, artista reconhecido no Brasil e no exterior como um dos principais difusores da cultura afrobrasileira no mundo, que através de suas obras retratou o cotidiano dos terreiros de candomblé da Bahia, berço da religião no Brasil.
Este ano o espetáculo tem participação especial do Coral Voz Ativa, que apresentará as rezas cantadas da Umbanda e Candomblé durante todo o espetáculo, além da bela voz do solista Jhonny Everton nos cantos em iorubá. O Grupo Raízes participa com seus cantos e batuques  e convida bailarinos da Tribo Indígena Pele Vermelha.

Participam do espetáculo Elioenai Gomes, Ativa Adélia Gomes, Jocerlan Silva, Carol Marques Danylo Aguiar,  Abayomi Rafael, Tutu Carvalho, Cely Sousa, Luciana Gomes, Karoline Aulálio, Onirê  Rabay, Laís Almeida, Neiry Carla, Márcia Bezerra, Fernando Bernardo, Patrícia Brasileiro, Ana Patrícia Lira, Bianca Meireles, Juliana Batista, Lucivan Laranjeira, entre outros convidados especiais.
O Auto dos Orixás 2013 tem patrocínio do Fundo de Incentivo à Cultura do Governo do Estado da Paraíba, o FIC Augusto dos Anjos, e acontecerá às 19h, no Ponto de Cem Reis, na capital paraibana. A participação do público é gratuita. Informações pelo telefone 87309629/ 88040786 ou pelo site www.ateliemulticultural.com.br 


Obra de Elioenai Gomes representa a essência do AUTO DOS ORIXÁS

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Lançamento da Coletânea Music From Paraíba acontecerá no Ateliê Multicultural domingo, dia 10/11 com ENTRADA FRANCA


COLETÂNEA PARAIBANA SERÁ DIVULGADA NA MAIOR FEIRA DE MÚSICA DO MUNDO

Forró, rock, samba, jazz e outros ritmos são os destaque da coletânea “Music From Paraíba”, CD produzido pelo Governo do Estado, por meio da FundaçãoEspaço Cultural da Paraíba (Funesc), que será apresentado na Feira World Music Expo (WOMEX), considerada a maior convenção internacional de música. O evento acontece de 23 a 28 deste mês, em Cardiff, capital do País de Gales.

Em novembro, Music From Paraíba terá festa de lançamento. A data será dia 10, um domingo, no Ateliê Multicultural Elioenai Gomes, na Ladeira da Borborema, Centro de João Pessoa. Estão escalados Sex on The Beach, Sandra Belê, Furmiga Dub e o Sonora Samba Groove, que volta a amassar a lataria com formação levemente modificada.
Cerca de mil cópias da Music From Paraíba serão distribuídas entre os 2.800 delegados de 90 países, 350 jornalistas e artistas que confirmaram presença no evento. Para auxiliar a divulgação entre os profissionais da área, o encarte do CD traz os contatos de cada artista do projeto, com e-mail, telefone e site. Finalizado recentemente, o trabalho reúne 20 cancões de artistas paraibanos e será lançado, na Paraíba, no mês de novembro. A arte da coletânea é do ilustrador paraibano Chico Shiko .

O coordenador de música da Funesc, Arthur Pessoa, destaca que essa é uma oportunidade de mostrar a música paraibana ao mundo, já que profissionais de toda cadeia produtiva musical participam da feira. “A nossa participação tem como principal foco criar uma plataforma inédita para exportação da música paraibana. Existe um grande interesse pela nova música brasileira, em especial a nordestina”, destaca Arthur.

O presidente da Funesc, Lau Siqueira, enfatiza que o material traz uma representação diversificada e de qualidade da música paraibana, que valoriza suas raízes, inovações e potencial artístico. “O projeto Music From Paraíba coloca na vitrine da música mundial, não apenas a música paraibana contemporânea, mas toda uma história musical de influências universais e tradições rítmicas de singularidade absoluta que passam por Sivuca, Jackson do Pandeiro e outros grandes artistas. Na verdade, temos uma imensa expectativa quanto ao lançamento do CD, mas sobretudo temos a convicção que estamos encaminhando para a Feira de Música um produto que representa, com qualidade, a diversidade musical do Estado, com potencial de mercado e com bagagem estética”, avaliou.

Com o intuito de fomentar a produção cultural paraibana, a Funesc está trabalhando com a realização de editais, o que possibilita a participação de todos os artistas interessados nas oportunidades oferecidas pela Fundação. Além da música, foram publicados editais nas áreas de audiovisual, o Curtas PB na Tela, e na área de artes visuais foi lançado o edital de ocupação da Galeria Archidy Picado.

Music From Paraíba - A coletânea foi selecionada por uma comissão julgadora escolhida pela Funesc, formada por Arthur Pessoa, Toninho Borbo (Gerência de Música da Secult-PB) e Hipólito Lucena (Conselho Estadual de Cultura da Paraíba). O grupo levou em consideração critérios como a qualidade estética, pertinência artística, potencial para circulação no mercado internacional e currículo do artista.

De um total de 57 inscrições e mais de 500 trabalhos enviados, 20 artistas foram selecionados pelo edital de música lançado, neste ano, pela Funesc. A seleção representa um apanhado da produção musical estadual, com as mais variadas características e influências.
CONFIRA OS ARTISTAS E AS MÚSICAS

Baião de Três - 'Baião Bravo'
Clã Brasil - 'Ta no sangue'
Beto Preah Parahyba - 'O Brasil vive em mim'
Os Gonzagas - 'Deixa o vento levar'
Socorro Lira – ‘Delicado’
Brasis – ‘Tupi e Oruki’
Paulo Ró – ‘Na Força da Lua’
Sandra Belê – ‘Manacá’
Sonora Sambagroove – ‘Meninos’
La Gambiaja - 'Coco truncado'
Seu Pereira e Coletivo 401 – ‘Papai mamãe’
Burro Morto – ‘Foda do futuro’
Nectar do Groove – ‘Rosa’
Armazém da Melodia Incompleta – ‘Pernoite’
Sex on The Beach – ‘2 oz. vodka’
Furmiga Dub – ‘Tudim evoluido’
Hazamat – ‘Nossa voz’
Grandphone Vancouver – ‘Miss me’
Rieg – ‘Postmodern funkatron’

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Ateliê Multicultural será sede da Rádio Porto do Capim - Parahyba - Brasil

RÁDIO PORTO DO CAPIM - PARAHYBA - BRASIL

É com grande entusiasmo que o Ateliê Multicultural Elioenai Gomes sediará a Rádio Porto do Capim, projeto de Mestrado Profissional em Jornalismo da UFPB da jornalista Edileide Vilaça, com orientação da professora Olga Tavares e coordenação da professora Joana Belarmino. Intitulado DO DIAL AO PC: a webradio como ferramenta de radiojornalismo comunitário, a webradio foi acolhida de imediato pelo Ateliê Multicultural e vem fortalecer o trabalho realizado no espaço, direcionado à revitalização humanizada do Centro Histórico, com atenção aos moradores.




 De acordo com o gestor do Ateliê, o artista visual Elioenai Gomes o projeto potencializará o trabalho de construção de conceitos e ações voltadas à melhor qualidade de vida da população do bairro, da cidade Parahyba e do mundo. “O Ateliê é um espaço de educação, cultura, sustentabilidade e inclusão” afirma o artista

A professora Joana Belarmino, coordenadora do Mestrado da UFPB, destacou a importância do projeto para concretizar a missão da Universidade no campo da extensão, bem como de sua importância no fortalecimento do programa de mestrado em jornalismo. "Esse projeto engrandece nosso programa acadêmico".



Os produtos e arranjos criativos realizados no Ateliê promovem a arte como principal ferramenta de cidadania e expansão do ser humano, tendo como foco crianças, adolecentes e seus familiares.





A sala e os materiais necessários para a montagem do estúdio já foram selecionados pela equipe gestora do projeto. A webrádio ampliará as ações e o poder de mobilização da população do Bairro do Varadouro, oferecendo espaço para promoção de cidadania cultural e diversidade em uma plataforma com acesso gratuito pela internet. 


O Ateliê fica na Ladeira da Borborema, 101, Varadouro (Centro Histórico). Mais informações pelo telefone 87309629.


"Foi às margens deste rio, que avança para o mar,
e que deixa, em seu caminho, tantos manguezais,
abrigando, em cada um, muita vida à se formar,
que surgiu, num certo dia, um bem pequeno cáis.

Era o Porto do Capim, que veio assim se chamar,
porque era o capim o que se transportava mais.
Depois virou Varadouro, prá logo se transformar
nesta cidade bonita, com seus traços divinais.

Foi na beleza, portanto, deste Porto do Capim,
que a cidade foi surgindo e crescendo até o fim,
pintando de eternidade os seus momentos breves.

No alto da ladeira, a imagem de um mosteiro...
o primeiro casario... o povo... a força... o cruzeiro...
- É a Cidade Real de Nossa Senhora das Neves. "